Visitas

Free Hit Counters

Podes contactar com os camaradas:

Pesquisar neste blogue

sexta-feira, março 06, 2009

Vídeo do Mês

...O mais procurado vídeo do ano esgotado na fnac á 3 ou 4 15 dias.

A história


Depois de bater umas chapas á passagem dos camaradas milicianos, seguia eu trilho abaixo inspirado por tamanha fluidez (mau pressagio) quando dou de caretas com o inimigo. A negociação não foi demorada (2º mau pressagio) e foi até fácil (pior ainda).

O professor chibanga tinha lido nas entranhas de galinha que o sucesso era garantido, por isso nada havia a recear. Montei a bicla, dei uma pedalada e larguei os travões (burro! Largar é mesmo para nem tocar).

A coisa parecia bem. Estava no ar, a aterragem logo ali e a coisa aparentava estar garantida. Mas….de repente… “QUEM FOI O IDIOTA QUE APAGOU A LUZ NUMA ALTURA DESTAS? Já não vejo nada e só se ouvem grunhidos.

Grande porra. Afinal os grunhidos são meus. E bem altos. Mas espera. Há mais. Estou a ouvir uns caralhazes e um fodex. É o Ervilha. O gaio deve estar a virar o bico ao prego pois está a fazer-me festinhas na testa (ao menos tira as uvas que arranham para caraças).

Continuo a grunhir que nem um porco á hora da matança e os caralhazes do Ervilha marcam compasso. O gajo está mesmo mal criado.

Quase em agonia final, vejo pelo canto do olho a segunda passagem dos camaradas que fazem o road-gap como quem limpa o cú a meninos (quando for grande quero ser como eles). Nesse instante o Ervilha ia embrulhando toda a gente quando, a esbracejar no meio do trilho, gritava:”parem, parem, parem que temos uma baixa”.

E parou mesmo tudo em grande silêncio. Nem e tinha autorização para grunhir quando o engenheiro, com passo largo e voz autoritária diz: “grande porra! Quem é que teve a ideia de trazer o jacaré do Algarve? A este ritmo papa-nos os camaradas todos. Ao menos este não vinha de lampião, por isso o bicho não corre risco de vida, Chamem já a Quercus e eles que levem também o Chibanga que é má influencia e não acerta uma”.

Pé-de-vento. Toda a logística arrumada nas carrinhas é lá seguimos nós para o hospital (ou coisa parecida) mais próximo – Mafra. Mal parámos o PSP de serviço saca da pistola e manda fazer alto. Julgou que a pandilha queria tomar o forte de assalto. Felizmente não cheirava a eucalipto e depois de tudo explicado lá tive ordem para entrar.

Cá fora, na espera, os camaradas matavam o tempo com sessões contínuas do meu tralho, visto e revisto de maneira nada pedagógica, que mais fazia lembrar as antigas matines do Olimpus. Por esta altura doía-me menos as costeletas que o orgulho, amassado pelas gargalhadas vindas do exterior.

“Então Senhor’ De que se queixa?”- perguntava a médica do Centro de Saúde que, apesar da minha rebuscada linguística, logo diagnosticou: “pois compreendi. É 3ª feira de carnaval e o Senhor armou-se em palhaço. Pois agora tem de seguir para o Amadora Sintra”. Lá entrámos novamente na carrinha (dispensei a ambulância por confiar mais na condução do camarada Daniel) e só então vi o PSP voltar a colocar a pistola no colt.

As más noticias correm depressa e durante o caminho liga o Roscas “Amigo, nada de stress, vou já para a porta do hospital. Levo um remédio que cura já metade das mazelas”.

Depois de dar entrada e fazer o primeiro exame (mijar para uma fitinha que ficou mais colorida que a ultima arvore de Natal do Rossio) mandei o camarada Daniel de volta para casa. Estava um pouco pálido e queixava-se de falta de beirão. Regresso para as urgências e, com o cheiro nauseabundo que tenho, facilmente arranjo lugar em frente a uma televisão. Ao fim de tantas horas finalmente uma boa noticia: o Porto sofria o 1º golo. Devo ter tentado festejar, mas deu-me logo uma estucada na costoletada que quase perdi os sentidos. Fiquei com remorsos e passei a torcer pelos nossos patrícios que no final só não ganharam por muito azar.

Finalmente aceitaram o meu chek in sem caução e lá dei entrada para internamento. Duas costelas partidas, uma delas em dois sítios, um traumatismo tóraxico e uma lesão na figadeira. Este foi o diagnóstico que me custou 9 dias de hospedaria forçada.

Já mandei trocar os 2.35 por pneus de estrada 1.60 que daqui para a frente vou passar a andar na ciclovia.

Grande abraço a todos

Pedro Broeiro

3 comentários:

Anónimo disse...

o melhor texto já escrito neste blog!
e o video n fica atrás! ganda malho... qt a ir à serra do socorro, escusam de ficar descansados. faço como o broeiro e vou p a ciclovia!
Pedro, domingo bem cedo, na rotunda da Guia! até lá, camarada.
abc
careca

Mr_Gustavo disse...

Boas pessoal! Antes de mais quer desejar as melhor ai para o vosso camarada que se aleijo, e que ele volte a andar (eu sei o que é estar mt tempo sem andar!).
Tem ai um video porreiro...
Mas o motivo principal que me levou a escrever este comentário foi só para dizer que o Extreme Freeride Coimbra mudou de endereço electronico:
Novo endereço: www.freeridecoimbra.com

Abraços

ruiperez disse...

Granda fruta!!! As melhoras!